Firmino Meireles deixa Cruz Vermelha de Frazão

26-02-2013 08:55
Presidente demissionário diz que não tem a disponibilidade que o cargo exige

José Firmino Meireles apresentou, na semana passada, o pedido de demissão do cargo de presidente da delegação de Frazão da Cruz Vermelha Portuguesa. "É uma parte da minha vida dedicada ao voluntariado na Cruz Vermelha, com mais de dez anos (apesar de como presidente faltar um par de meses para concluir uma década) que termino", informa o arquitecto pacense em comunicado.
Firmino Meireles justifica a saída do cargo, que acarreta "um forte desgaste emocional e físico" e que "só deve ser desempenhado com uma dedicação total", por não ter a disponibilidade necessária devido aos projectos que tem entre mãos actualmente.
"Assim, depois de conseguir resolver positivamente alguns problemas que asseguram a viabilidade financeira da delegação, e estando implementado o Pólo de Emergência Social em Pias, entendo que é tempo de insuflar sangue novo na presidência, para dar um novo ânimo aos voluntários. Para mim vai significar o poder dedicar-me a outras preocupações e projectos", refere Firmino Meireles.

Apesar da sua resolução, o pacense não esconde que parte "dividido": "por um lado uma forte sensação de alívio por terminar o vínculo com esta Cruz; mas por outro, com tristeza e melancolia por deixar de colaborar com pessoas por quem ganhei carinho e amizade".

Na hora da despedida, Firmino Meireles não deixa de agradecer aos voluntários, "pelo trabalho, sacrifícios e desilusões que aguentaram para darem o seu apoio à população ao longo destes anos"; e também à população e seus dirigentes sociais e autárquicos.